Daniel 1

Studovat vnitřní smysl

           

1 No ano terceiro do reinado de Jeoiaquim, rei de Judá, veio Nabucodonozor, rei de Babilônia, a Jerusalém, e a sitiou.

2 E o Senhor lhe entregou nas mãos a Jeoiaquim, rei de Judá, e uma parte dos vasos da casa de Deus; e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu Deus; e os pôs na casa do tesouro do seu Deus.

3 Então disse o rei a Aspenaz, chefe dos seus eunucos que trouxesse alguns dos filhos de Israel, dentre a linhagem real e dos nobres,

4 jovens em quem não houvesse defeito algum, de bela aparência, dotados de sabedoria, inteligência e instrução, e que tivessem capacidade para assistirem no palácio do rei; e que lhes ensinasse as letras e a língua dos caldeus.

5 E o rei lhes determinou a porção diária das iguarias do rei, e do vinho que ele bebia, e que assim fossem alimentados por três anos; para que no fim destes pudessem estar diante do rei.

6 Ora, entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias.

7 Mas o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel, o de Beltessazar; a Hananias, o de Sadraque; a Misael, o de Mesaque; e a Azarias, o de Abednego.

8 Daniel, porém, propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.

9 Ora, Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante do chefe dos eunucos.

10 E disse o chefe dos eunucos a Daniel: Tenho medo do meu senhor, o rei, que determinou a vossa comida e a vossa bebida; pois veria ele os vossos rostos mais abatidos do que os dos outros jovens da vossa idade? Assim poríeis em perigo a minha cabeça para com o rei.

11 Então disse Daniel ao despenseiro a quem o chefe dos eunucos havia posto sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias:

12 Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias; e que se nos dêem legumes a comer e água a beber.

13 Então se examine na tua presença o nosso semblante e o dos jovens que comem das iguarias reais; e conforme vires procederás para com os teus servos.

14 Assim ele lhes atendeu o pedido, e os experimentou dez dias.

15 E, ao fim dos dez dias, apareceram os seus semblantes melhores, e eles estavam mais gordos do que todos os jovens que comiam das iguarias reais.

16 Pelo que o despenseiro lhes tirou as iguarias e o vinho que deviam beber, e lhes dava legumes.

17 Ora, quanto a estes quatro jovens, Deus lhes deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e em toda a sabedoria; e Daniel era entendido em todas as visões e todos os sonhos.

18 E ao fim dos dias, depois dos quais o rei tinha ordenado que fossem apresentados, o chefe dos eunucos os apresentou diante de Nabucodonozor.

19 Então o rei conversou com eles; e entre todos eles não foram achados outros tais como Daniel, Hananias, Misael e Azarias; por isso ficaram assistindo diante do rei.

20 E em toda matéria de sabedoria e discernimento, a respeito da qual lhes perguntou o rei, este os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos e encantadores que havia em todo o seu reino.

21 Assim Daniel continuou até o primeiro ano do rei Ciro.

  

   Studovat vnitřní smysl

Daniel Recusa a Alimentação do Rei      

Napsal(a) Rev. Dr. Andrew M. T. Dibb (machine translated into português)

No livro de Daniel, há muitas histórias memoráveis no texto literal, e também há histórias espirituais memoráveis acontecendo no sentido interno.

O primeiro capítulo está centrado numa história da vida de Daniel - uma espécie de anedota - na qual ele e os seus amigos, agora cativos na Babilónia, recusam a comida que lhes está a ser oferecida da mesa do Rei.

Mas antes que essa anedota comece, há alguns antecedentes: o Reino de Judá foi conquistado pelo império babilônico. Muitos judeus foram levados cativos, e trazidos para a Babilónia.

O capítulo começa com a frase "no terceiro ano". Até mesmo um estudo superficial da Palavra mostra que muitas seqüências começam por estabelecer um tempo em que a ação acontece. O tempo na Palavra indica sempre um estado espiritual (AC 4901). Quando a Palavra menciona blocos de tempo, dias, semanas, meses, anos, eles indicam estados pelos quais as pessoas passam. Cada termo indica um estado diferente. Para diferenciar ainda mais entre eles, os números são muitas vezes anexados para definir o estado. Na frase "no terceiro ano", o número "três" contém a idéia de plenitude, um fim e um novo começo, e contém dentro dele as dimensões acrescentadas de um julgamento sobre o passado.

Então a história começa com o fim de um estado, e o início do próximo. O estado final, representado pelo rei de Judá, Jehoiakim, dá lugar a um segundo estado: Nabucodonosor, rei da Babilónia. A história de Jehoiakim, durante cujo reinado Daniel foi capturado, descreve os últimos suspiros de uma condição espiritual em deterioração.

No terceiro ano do seu reinado, Jehoiakim deixou de prestar homenagem à Babilónia. Nabucodonosor não invadiu imediatamente Judá, preferindo dar a outros estados conquistados, Síria, Moabe e Amon, a tarefa de assediar Jeoiaquim com a intenção de reduzi-lo à submissão. Quando isto não funcionou, ele atacou, reduzindo forçosamente a cidade à submissão. Durante a revolta de Jehoiakim, Nabucodonosor fez reféns na Babilónia, incluindo Daniel.

Nabucodonosor, rei da Babilônia, representou a falsificação babilônica da Palavra, e a destruição de toda a verdade nela contida (AR 47:4 ).

No final do primeiro verso, Nabucodonosor vem a Jerusalém e a sitia. Este contém dois elementos: o primeiro é Jerusalém; o segundo é o seu tratamento da cidade. Jerusalém era o centro de adoração em Judá, embora na época de Jeoiaquim, o templo já estivesse profanado. Em segundo lugar, nos tempos antigos, o cerco de uma cidade não significava necessariamente a sua destruição, e no momento em que Daniel foi levado em cativeiro, a cidade não foi destruída. Mas um cerco foi um longo e desastroso acontecimento, enfraquecendo a fibra da cidade. O cerco ilustra perfeitamente a situação das coisas espirituais da igreja com uma pessoa, representada por Jerusalém, quando são enfraquecidas por falsos pensamentos e egoísmo, retratados primeiro por Jeoiaquim e depois por Nabucodonosor. O egoísmo, atraído por um amor de falsidade, dado a mão livre pela falta de interesse na Palavra, sitia a mente até que os laços de consciência sejam relaxados e o egoísmo ganhe.

Isto define o ambiente natural e espiritual em que a história se desenrola. O Daniel histórico viveu na Babilónia; trabalhou para os reis, administrando o seu reino. Os significados espirituais transcendem esse exterior, embora correspondam perfeitamente aos detalhes da história literal.

A transferência de Nabucodonosor dos vasos da casa de Deus para a casa do seu próprio deus ressalta e ilustra o significado do "terceiro ano" no primeiro versículo. "O terceiro ano" assinala o fim de uma etapa e o início da próxima. A profanação do templo demonstra isso dramaticamente, pois o templo, que deveria ter sido o centro do culto de Judá, deveria ter sido protegido a todo custo. Na realidade, o templo já estava profanado pelos pecados de Jeoiaquim, que eram tão ruins que derrubavam a balança da justiça divina contra Judá. Com Nabucodonosor sitiando a cidade, e o abandono desses vasos, o estado de integridade de Judá chegou ao fim - seus vasos santíssimos foram levados em cativeiro, e um capítulo inteiramente novo da história de Judá começou.

Este segundo versículo reorienta a ênfase da ação de Nabucodonosor para o Senhor: enquanto o primeiro versículo afirma que Nabucodonosor sitiou Jerusalém, o segundo mostra a mão do Senhor nisto. A clara indicação é que Nabucodonosor não conquistou Judá de seu próprio poder, mas "o Senhor deu Jehoiaquim, rei de Judá, em suas mãos".

Em hebraico, a palavra para "Senhor" é "Adonai", o latim é "Dominus". Enquanto os Escritos não têm entrada para a palavra "Adonai", o termo "Dominus" é frequentemente usado. O nome "Senhor" descreve o bem divino - o amor do Senhor que opera na vida das pessoas (AC 2921). O livro Amor e Sabedoria Divina descreve poeticamente a qualidade deste amor como "que consiste nisto, que o seu próprio deve ser o do outro; sentir a alegria do outro como alegria em si mesmo, que é amar" (DLW 47). A Palavra mostra o amor do Senhor em muitos lugares: do amor, Ele assumiu a forma humana e salvou a raça humana; do amor, Ele trouxe tanto o céu como o inferno em ordem; e do amor, Ele se revelou por meio da Palavra. O amor é o próprio ser do Senhor, é a raiz e a fonte de cada uma de suas ações através dos tempos. As palavras "o Senhor deu Jehoiaquim, rei de Judá, em suas mãos", mostram que isso foi do amor do Senhor.

O Senhor não entregou Jehoiaquim nas mãos de Nabucodonosor como castigo, mas para ilustrar como Ele traz bondade de uma situação má. Se Ele não o fizesse diariamente, toda a base da nossa regeneração humana seria minada. Uma vez que Jehoiakim, representando os desejos de falsidade, é submerso pelo amor de si mesmo, que é Nabucodonosor, a vida espiritual das pessoas estaria terminada, a menos que o Senhor tivesse uma maneira de prender o deslizamento para o inferno e nos reabilitar espiritualmente.

Os vasos mantidos cativos no templo do deus babilônico é uma representação das pessoas, à medida que crescem, afastando-se das coisas que aprenderam na juventude e abraçando coisas que apelam à sua vontade egoísta; esquecem as coisas espirituais que aprenderam quando crianças. O egoísmo destrói o gosto pela verdade, e com essa destruição, as pessoas perdem gradualmente o poder de resistir ao fascínio do egoísmo. Foi isso que aconteceu quando Nabucodonosor sitiou Jerusalém: o egoísmo inerente a cada pessoa finalmente ultrapassa os conceitos da verdade já enfraquecidos pela falta de vontade de pensar e agir de acordo com a verdade - representada por Jeoiaquim. O egoísmo transporta os vasos do templo; subverte as coisas que devem introduzir as pessoas a adorar o Senhor por outra causa: o serviço de si mesmo.

Depois de colocarmos a cena nos dois primeiros versos do livro, chegamos ao personagem central da história: O próprio Daniel. Sua introdução na história preenche o segmento principal do primeiro capítulo. Os versos três a cinco estão balançando de transição de Nabucodonosor, o rei guerreiro, para Daniel, o herói do resto do livro. Neste momento, o foco ainda está na Nebuchadnezzar como administradora. Seu poder sobre Daniel aparece nestes versos, e indica o poder das falsidades (Nabucodonosor) que surgem do egoísmo (rei da Babilônia), sobre a consciência humana e o compromisso com a verdade, representado por Daniel. Neste ponto da história, Daniel é um jovem indefeso, à mercê do rei.

No texto espiritual, Daniel é a presença do Senhor dentro das pessoas, mesmo em seu estado pré-regenerativo quando a verdade é capturada e dominada pelo egoísmo e pelo pensamento distorcido. O Senhor é central para todo o tema, tanto literalmente como espiritualmente: o Amor Divino é incessante na vida humana, esforçando-se continuamente para desviar as pessoas do egoísmo para o bem. É um grande ensinamento das Doutrinas Celestiais que o Senhor nunca quebra o estado de um povo, mas sim os dobra dentro dos limites da liberdade e da resposta humana. Historicamente, Ele colocou Daniel na Babilônia para mostrar como Ele mantém viva a consciência humana para julgar ações, apontar erros e, finalmente, para conduzir as pessoas ao Seu reino.

Entre em Ashpenaz. A posição de "mestre dos eunucos" faz de Ashpenaz um alto funcionário da corte. A ele é confiada a importante tarefa de treinar os cativos judeus para o uso futuro no império babilônico. Nesta capacidade, ele representa uma situação humana comum: algumas pessoas têm a capacidade de parecer boas, simpáticas, amáveis e honestas, enquanto se empenham em cumprir alguma agenda escondida e, muitas vezes, egoísta. Mas o Senhor usa essas qualidades visíveis do bem para conduzir as pessoas à verdadeira bondade. Em muitos casos, a regeneração é mais uma mudança nos motivos de um povo do que uma mudança nas ações.

Apenas alguns rapazes eram adequados para o tipo de treino que Nabucodonosor tinha em mente: os jovens não podiam ter manchas, deviam ser bonitos, dotados de toda a sabedoria, possuidores de conhecimento e rápidos a compreender. Cada um destes critérios descreve aspectos das verdades que o Senhor cultiva nas pessoas a fim de combater o egoísmo.

Estes rapazes foram alimentados a partir da mesa real. Os conceitos de "comer" e "beber" na Palavra descrevem a absorção da bondade e da verdade na vida das pessoas. Quando as pessoas comem comida e bebem vinho, estes tornam-se parte deles, assimilados no corpo. Uma coisa semelhante acontece com a bondade e a verdade no nível espiritual. O processo de aprender ou experimentar algo bom ou verdadeiro é muito semelhante à forma como as pessoas comem e bebem: a refeição entra no estômago onde é digerida e torna-se parte da vida espiritual da pessoa.

A Babilônia, um símbolo de extremo egoísmo, é diametralmente oposta ao próprio Senhor. Nabucodonosor, rei da Babilônia, que representa a falsificação da Palavra a partir desse egoísmo, é o oposto da verdade do Senhor dada na Palavra. O alimento que ele oferecia aos rapazes iria, a um nível espiritual, minar tudo o que eles representavam. Somente a inocência, definida como a vontade de seguir o Senhor vivendo de acordo com a Sua verdade, pode conduzir as pessoas das garras do egoísmo; no entanto, é da própria natureza do egoísmo minar essa inocência e essas verdades pervertidas. Isto é o que é descrito pelo acto aparentemente amável de Nabucodonosor de dar aos rapazes comida da sua própria mesa. Isto torna-se claro nos seus motivos: "três anos de treino para eles, para que no final desse tempo possam servir o rei." Este período de três anos era para produzir criados. A subversão da verdade nunca é um processo rápido - as pessoas passam por anos de tormento do inferno antes de se renderem totalmente a ele. No entanto, se eles não têm inocência, se o alimento do pensamento sempre se centrou no egoísmo e na falsidade, chegará o momento em que a resistência da pessoa quebrará completamente, e essa pessoa servirá ao nosso Nabucodonosor espiritual, rei da Babilônia.

Então Daniel pediu permissão a Ashpenaz para evitar comer as iguarias do rei. No sentido literal, isto exigiu coragem. Ashpenaz tinha uma grande autoridade e Daniel era um mero cativo. Esta coragem é necessária para a mudança espiritual. Quando as ações externas estão nas garras de pensamentos falsos e racionalizações do egoísmo, o altruísmo é facilmente refreado. É preciso coragem para mudar a motivação e agir a partir da verdade e não da falsidade, especialmente quando essa mudança de motivação requer muito pouca mudança de comportamento externo. No entanto, tem de ser feito, e por isso o Daniel fez o pedido.

Todo esforço para entrar em ordem é abençoado pelo Senhor. Daniel teve a coragem de pedir, e Deus o trouxe em favor e boa vontade. O nome do Senhor aqui usado, "Deus", mostra a presença da verdade Divina. Isto faz sentido porque Daniel representa a verdade que afecta a vida natural das pessoas. Isto é da verdade Divina apresentada na Palavra. Sem a verdade Divina, as pessoas não têm compreensão da verdade, e permanecem na falsidade e no egoísmo para sempre.

Quando Daniel fez o seu pedido, Ashpenaz temia que Daniel não prosperasse como os outros rapazes, e que ele, Ashpenaz, fosse culpado. Esta é a natureza essencial do bem meramente externo: quando o comportamento é bom sem nenhum tipo de leme espiritual para guiá-lo, as pessoas se vêem guiadas tão facilmente pela falsidade quanto pela verdade. As pessoas guiadas pelo bem natural não-espiritual deixam-se convencer facilmente pelo mal, pois os maus espíritos estão no seu elemento ou no deleite da sua vida quando podem entrar nos desejos alheios; uma vez que entraram, seduzem essa pessoa para todo o tipo de mal (AC 5032:3).

Ashpenaz enfrentou uma situação: um dos seus promissores rapazes estava a rejeitar a comida do rei e em breve poderia parecer pior do que os outros rapazes. Isto significa que a verdade, que desafia o egoísmo, começa a perder o seu atractivo. No entanto, o desafio deve ser levado a cabo até à sua conclusão. Se as pessoas cedessem tão rapidamente aos desejos egoístas, a sua vida espiritual acabaria rapidamente. A solução é procurar outra alternativa, outro lugar onde a verdade possa ganhar um apoio em nossas mentes.

O Daniel apela ao "mordomo". Há alturas em que o comportamento externo, por bom que pareça, está demasiado relacionado com a vontade egoísta para responder a um apelo da verdade. Às vezes o caminho da verdade através das mentes precisa começar pelos elementos exteriores, e muitas vezes subordinados, das nossas vidas - o mordomo.

Até certo ponto, todas as pessoas passam por este processo: antes da regeneração, somos motivados pelo egoísmo, mas aprendemos a verdade, e eventualmente aprendemos a pensar a partir da verdade e a desenvolver uma afeição por ela. É assim que o Senhor desenvolve um olhar sobre a natureza egoísta da pessoa não regenerada. Eventualmente, adotando o princípio afirmativo e permitindo que a verdade influencie nossas ações, nós nos encontramos mudando para melhor: o estrangulamento do egoísmo em todas as facetas de nossas vidas começa a escorregar, e o lento processo de libertação começa. Mas esta verdade ainda está na sua fase inicial. Nos primeiros estados de regeneração, os níveis mais profundos da nossa mente ainda estão sob o controle do egoísmo e das falsidades dele. Nabucodonosor ainda está em seu trono, rei do império mais poderoso do mundo.

A experiência de Daniel tinha sido bem sucedida, e os versos finais deste primeiro capítulo exaltam a sabedoria dos quatro jovens. A verdade desenvolvida e cultivada nas nossas vidas apela ao nosso sentido interior de egoísmo - uma pessoa egoísta pode ter orgulho na inteligência e sabedoria. É uma coisa maravilhosa para se pensar bem e com sabedoria. Estas são virtudes que uma pessoa pode usar para fins egoístas.

Mas, como os capítulos futuros mostrarão, o começo de uma consciência significa o fim de uma vida de egoísmo. Pode levar muito tempo, assim como Daniel viveu e trabalhou na Babilônia por muitos anos, mas no final a consciência será vitoriosa, e o egoísmo banido.

Swedenborg

Hlavní výklad ze Swedenborgových prací:

The Inner Meaning of the Prophets and Psalms 172


Další odkazy Swedenborga k této kapitole:

Arcanos Celestes 1183, 1709, 2606, 5223, 10325

Apocalipse Revelado 101


Odkazy ze Swedenborgových nevydaných prací:

Apocalypse Explained 675

Justification 0

Jiný komentář

  Příběhy:


  Biblická studia:  (see all)


  Související Knihy  (see all)


Skočit na podobné biblické verše

Gênesis 10:10, 11:2, 39:21, 41:12, 45, 46

Deuteronômio 28:41

1 Reis 3:12

2 Reis 20:18, 23:36, 24:1, 17

2 Crônicas 26:5, 36:5, 7

Esdras 1:1, 2

Ester 2:9

Provérbios 22:29

Isaías 11:11, 39:6, 7

Jeremias 25:1

Ezequiel 4:13

Daniel 1:4, 19, 2:17, 19, 4:5, 6, 5:2, 12, 13, 6:14, 10:1

Oséias 9:3

Zacarias 5:11

Významy biblických slov

rei
The human mind is composed of two parts, a will and an understanding, a seat of loves and affections, and a seat of wisdom and...

Jeoiaquim
Jehoiakim,' as in Jeremiah 36:30, after he had burnt the scroll written by Jeremiah, it is said, 'that his dead body shall be cast out...

Judá
City of Judah,' as in Isaiah 40:9, signifies the doctrine of love towards the Lord and love towards our neighbor in its whole extent.

veio
As with common verbs in general, the meaning of “come” in the Bible is highly dependent on context – its meaning is determined largely by...

babilônia
A Babilónia foi uma cidade antiga construída no rio Eufrates, no que é agora o sul do Iraque. Foi outrora a capital de um grande...

jerusalém
Jerusalem, on Mount Zion, signifies the doctrine of love to the Lord, and how it governs your life. Jerusalem first comes to our attention in...

mãos
Scientists believe that one of the most crucial developments in the evolution of humans was bipedalism – walking on two legs. That left our hands...

casa
A "house" is essentially a container - for a person, for a family, for several families or even for a large group with shared interests...

Deus
O Senhor é o próprio amor, expresso na forma da própria sabedoria. O amor, então, é a sua essência, o seu íntimo. A sabedoria -...

Terra
"Terra" na Bíblia pode significar uma pessoa ou um grupo de pessoas que pensam da mesma maneira como numa igreja. Mas refere-se especificamente ao exterior...

Tesouro
'Treasure,' as in Matthew 13:44, signifies divine truth in the Word.

disse
As with many common verbs, the meaning of “to say” in the Bible is highly dependent on context. Who is speaking? Who is hearing? What...

eunucos
A eunuch (Isaiah 56:3, 5) denotes the natural man as to good, and the son of the stranger denotes the natural man as to truth;...

filhos
Swedenborg tells us that space and time in the physical world correspond to states of life in the spiritual world. So when the Bible talks...

de israel
'Israel,' in Jeremiah 23:8, signifies the spiritual natural church. The children of Israel dispersed all the literal sense of the Word by falsities. 'The children...

israel
'Israel,' in Jeremiah 23:8, signifies the spiritual natural church. The children of Israel dispersed all the literal sense of the Word by falsities. 'The children...

língua
'The tongue,' as an organ, signifies doctrine, but as speech, or language, it signifies religion. 'Tongue' signifies perception of truth with respect to speech, and...

caldeus
Chaldea was a land lying along the Euphrates river near its mouth, south of Babylon, part of what is now southern Iraq. It was a...

vinho
Wine played a key role in the ancient world, where safe, reliable water sources were scarce. It could be stored for long periods of time;...

três
The Writings talk about many aspects of life using the philosophical terms "end," "cause" and "effect." The "end" is someone’s goal or purpose, the ultimate...

chefe
Captains and Rulers (Jer. 51:23) signifies principal evils and falsities. Captains and Rulers (Ezek 33:6) signifies principal truths. See Chief Captains.

nomes
It's easy to see that names are important in the Bible. Jehovah changed Abram and Sarai to Abraham and Sarah, changed Jacob to Israel and...

coração
The heart means love. A good heart means love to the Lord and to the neighbor while a hard or stony heart means the love...

misericórdia
In regular language, "mercy" means being caring and compassionate toward those who are in poor states. That's a position we are all in relative to...

senhor
In most cases, a "master" in the Bible refers to truth: knowledge, an understanding of the situation at hand, an understanding of the Lord's wishes,...

rostos
“The eyes are the windows of the soul.” That’s a sentiment with roots somewhere in murky antiquity, but one that has become hopelessly cliché because...

cabeça
The head is the part of us that is highest, which means in a representative sense that it is what is closest to the Lord....

dez
Most places in Swedenborg identify “ten” as representing “all,” or in some cases “many” or “much.” The Ten Commandments represent all the guidance we get...

dias
The expression 'even to this day' or 'today' sometimes appears in the Word, as in Genesis 19:37-38, 22:14, 26:33, 32:32, 35:20, and 47:26. In a...

nos
Angels do give us guidance, but they are mere helpers; the Lord alone governs us, through angels and spirits. Since angels have their assisting role,...

comer
When we eat, our bodies break down the food and get from it both energy and materials for building and repairing the body. The process...

água
Water was obviously of tremendous importance in Biblical times (and every other time). It is the basis of life, the essential ingredient in all drinks,...

beber
To be drunken without wine (Isa. 29:9), are they who are unconcerned about the Word, and the truths of faith, and thus have no inclination...

quatro
The number "four" in the Bible represents things being linked together or joined. This is partly because four is two times two, and two represents...

visões
Vision is the innermost revelation, which is of perception. Visions are according to the state of humankind. The visions of people whose interiors are closed,...

sonhos
A dream, as in Genesis 20:3,signifies being somewhat obscure.

Ciro
Cyrus (Isa. 44:28), signifies the Lord, as to his divine human principle.

Zdroje pro rodiče a učitele

Zde uvedené položky jsou poskytnuty se svolením našich přátel z General Church of the New Jerusalem. Můžete prohledávat/procházet celou knihovnu kliknutím na odkaz this link.


 Daniel's Captivity - Level A
Complete lesson with activity choices introducing the concept that Daniel represents our conscience. Includes welcome activity, shortened reading, discussion questions, activity choices, a closing recitation, and a parent note to send home.
Sunday School Lesson | Ages 3 - 6

 Daniel's Captivity - Level B
Complete lesson with activity choices introducing the concept that Daniel represents our conscience. Includes welcome activity, shortened reading, discussion questions, activity choices, a closing recitation, and a parent note to send home.
Sunday School Lesson | Ages 7 - 10

 Daniel's Captivity - Level C
Complete lesson with activity choices introducing the concept that Daniel represents our conscience. Includes welcome activity, shortened reading, discussion questions, activity choices, a closing recitation, and a take-home card about applying the lesson to the student's life.
Sunday School Lesson | Ages 11 - 14

 Nebuchadnezzar's Dream
Worship Talk | Ages 7 - 14

 Overview of Daniel: A Man of Conscience for ages 3-14
Overview of a series of scripted lessons for the first six chapters of the book of Daniel. Suitable for Sunday schools, families and classrooms. Levels A, B and C provide materials for ages 3-14.
Sunday School Lesson | Ages 3 - 14


Přeložit: