O que realmente aconteceu na Páscoa?      

By New Christian Bible Study Staff (machine translated into português)

Visualizar o vídeo em uma nova janela

This video is a product of the Swedenborg Foundation. Follow these links for further information and other videos: www.facebook.com/offthelefteye and www.Swedenborg.com

Visualizar o vídeo em uma nova janela

This video is a product of the Swedenborg Foundation. Follow these links for further information and other videos: www.facebook.com/offthelefteye and www.Swedenborg.com

Visualizar o vídeo em uma nova janela

This video is a product of the Swedenborg Foundation. Follow these links for further information and other videos: www.facebook.com/offthelefteye and www.Swedenborg.com

O que é que a Nova Igreja ensina sobre a Páscoa? É uma pergunta curta, mas envolve uma grande rede de ideias interligadas. Não pode ser respondido bem numa mordida sonora, por isso tem paciência...

Primeiro, acreditamos em Deus - apenas um Deus - que cria e sustenta tudo, incluindo o nosso universo físico.

Nós acreditamos que Deus é o próprio amor, e a própria sabedoria. É a natureza do amor querer amar os outros fora de si mesmo, e fazê-los felizes, e ser unido a eles. É da natureza da sabedoria fornecer os meios, o saber-fazer, para que o amor entre em vigor.

Deus, agindo a partir de seu núcleo de Amor Divino, usando sua Sabedoria Divina, criou o universo (o Big Bang?), e, eventualmente, como parte dele, nossa galáxia, sistema solar e a Terra. Através da sua providência criativa, a vida começou na Terra. Ao longo de milhões de anos, ela evoluiu para formas de vida progressivamente mais complexas, até que, com o tempo, Deus pôde trazer o desenvolvimento de seres humanos com mentes racionais capazes de compreender verdades espirituais. Através dessas verdades, as pessoas seriam capazes de amar uns aos outros como vizinhos, e amar a Deus, caminhar nos seus caminhos, receber o seu amor e sabedoria, e ser unidos a Ele.

É parte da Providência de Deus manter sempre aberta uma forma de comunicação conosco, para que possamos receber verdades acomodadas ao nosso estado. Ele se comunicou com os primeiros humanos através de uma consciência mais direta, mas à medida que nos tornamos mais externos, ele usou alguns homens como profetas, ou reveladores, para escrever suas verdades e contá-las a outros. Algumas destas revelações são muito antigas, pelos padrões humanos. Nos Livros de Moisés, talvez com 3500 anos, Moisés refere-se a livros ainda mais antigos - "As Guerras de Jeová", "Anunciações" e "O Livro de Jasher", que formavam partes de uma Palavra antiga.

Na época anterior ao nascimento de Jesus Cristo, as verdades da Palavra Antiga haviam sido corrompidas ou largamente esquecidas, e o politeísmo e a idolatria estavam disseminados. Das 12 tribos dos filhos de Israel, 10 foram dispersas, e engolidas pela cultura circundante. Em Jerusalém e arredores, a igreja judaica ainda preservava o Antigo Testamento, e os fiéis ainda observavam seus princípios, mas mesmo dentro do judaísmo, parte do culto externo era oco. Havia ainda algumas pessoas no bem simples, que receberiam as novas verdades do Senhor com alegria - Maria, José, Isabel, Zacarias, Ana, Simeão e mais tarde os apóstolos, e depois as multidões que se reuniam para ouvir Jesus pregar a verdade, e para serem curadas por Ele.

A Nova Igreja ensina que Jesus Cristo foi o próprio Deus, que assumiu um corpo humano, para que ele pudesse viver entre nós, e nos ensina as verdades essenciais de que precisamos para que possamos segui-las, e ao fazê-lo, abre nossas mentes para receber e transmitir seu amor.

Também acreditamos que parte do seu método de nos redimir foi assumir uma hereditariedade humana com a sua tentação, para que ele pudesse combater directamente o mal. De onde vinha o mal? Nós acreditamos que as pessoas têm almas imortais. Quando nossos corpos morrem, nós vivemos em um mundo espiritual. Nesse mundo, não podemos fingir que somos bons se não o somos - a nossa verdadeira natureza torna-se evidente. E, nós gravitamos para pessoas com os mesmos sentimentos, como fazemos neste mundo, exceto com uma visão mais clara. Se amamos fundamentalmente o nosso próximo e a Deus mais do que a nós mesmos, criaremos sociedades amistosas e de boa vizinhança. Se estivermos fundamentalmente atentos ao "número um", as nossas sociedades tenderão para os lugares desagradáveis, formando lugares infernais. Deus não criou o inferno, mas Ele não nos obriga a ser bons, pois isso destruiria a nossa liberdade. Então, ele permite-nos criar infernos para nós próprios. Também o podemos fazer na Terra, quando as pessoas más têm poder. A Alemanha nazista foi um exemplo ultra claro disso, entre muitos outros.

Agora, na Nova Igreja acreditamos, como muitas pessoas, que existe uma relação entre o mundo espiritual e o mundo natural, e que estamos sujeitos a influências espirituais. A imagem popular do anjo da guarda tem na verdade alguma base em fatos espirituais, e a imagem do anjo em um ombro e do diabo no outro também é mais real do que confortável de se pensar.

Somos tentados, enquanto vivemos as nossas vidas, a fazer coisas más. Estas tentações fluem para nós de pessoas más no mundo espiritual. Na ordem normal das coisas, o poder deste mal é mantido em cheque, equilibrando o influxo do céu, onde o amor do Senhor flui através das boas sociedades e se comunica conosco. Na época do nascimento do Senhor, o equilíbrio era precário - os infernos tinham se tornado muito fortes e o mal era muito influente. Vemos ilustrações disso nas histórias do Novo Testamento, onde Jesus e seus discípulos em muitos casos estão curando pessoas possuídas por demônios.

Assim, parte da missão do Senhor era controlar o poder da influência infernal, e ele fez isso se permitindo ser tentado através do humano que havia assumido de Maria, e vencendo cada tentação por sua vez, para limitar o poder de cada sociedade infernal. Nas histórias do Novo Testamento vemos algumas dessas tentações - quando Ele foi tentado pelo diabo no deserto, no Jardim do Getsêmani, e na cruz. Mas, ele conquistou cada um deles, mesmo os finais, onde duvidava que a sua missão tivesse sido bem sucedida.

O que, então, aconteceu na Páscoa?

Deus encarnado tinha vindo à terra, como Jesus Cristo, cumprindo toda uma série de profecias do Antigo Testamento. Ele tinha, através de uma série de tentações ao longo da vida, lutado e subjugado os poderes do inferno, restaurando o equilíbrio que permitia às pessoas escolherem livremente o seu rumo na vida. Ele tinha-nos ensinado as novas verdades de que precisávamos, para que pudéssemos aprender, se quiséssemos, como ser bons. Ele tinha aberto um novo canal de comunicação - agora poderíamos imaginá-lo na forma humana - não apenas como um Deus remoto e sem forma, mas como um Deus Divinamente Humano que nos ama, quer nos salvar, e em cuja imagem e semelhança somos feitos.

A crucificação foi a tentação clímax, e vitória, em uma vida de vitória sobre o mal. O corpo humano que o Senhor tomou de Maria foi glorificado, convertido em substância divina. Por isso não foi encontrada no túmulo no domingo de Páscoa, quando a pedra foi rolada.

Depois da Páscoa, o Senhor ainda podia - e apareceu - aos seus seguidores, mas eles estavam vendo-o com seus olhos espirituais abertos. Eles o seguiram até a Galiléia, e testemunharam sua ascensão ao céu. E então eles se espalharam pelo mundo, ensinando as verdades que ele lhes havia ensinado, e liderando pelo exemplo, de modo que o Cristianismo se tornou a maior religião do mundo.

À medida que a religião cristã se espalhava, idéias falsas se insinuavam nela. Aqui estão alguns pontos-chave em nossa crença, que combatem essas falsidades:

- Nós não acreditamos que Jesus fosse uma pessoa separada de Deus. Ele era Deus.

- Nós não acreditamos que ele se sacrificou na cruz para expiar a Deus pelos pecados da humanidade. Ele era Deus. Em vez disso, ele se permitiu ser crucificado porque, ao fazer isso, ele podia mostrar que mesmo a morte do corpo físico não era algo final - não algo que realmente tivesse poder sobre o bem e a verdade. A sua ressurreição foi o acontecimento chave.

Nós acreditamos que Maria era boa, mas não que ela era perfeita, nem que ela nasceu sem pecado. Ela foi escolhida para ser a mãe do Senhor porque ela era, como José, parte do remanescente de pessoas simples e boas que obedeciam à vontade do Senhor, e cuja fé permitiria o cumprimento de Sua missão. No entanto, a hereditariedade através de Maria continha tendências normais para o mal que abriam Jesus às tentações, o que era uma parte necessária do plano.

Há também ideias não cristãs que têm moeda na nossa cultura, embora pensemos que são falsas. Aqui estão alguns pontos chave na nossa crença:

- Não acreditamos que Jesus Cristo tenha tido um romance ou casado com Maria Madalena.

- Não acreditamos que Jesus Cristo tenha sido apenas um bom mestre ou homem de caráter exemplar, que mais tarde foi deificado por seus discípulos.

- Nós acreditamos que Jesus Cristo existiu como uma figura histórica, e que ele era Deus encarnado, e que os Evangelhos contêm verdades essenciais pelas quais devemos viver.


Traduzir: