Em Meu Nome

        | By New Christian Bible Study Staff (machine translated into Português)

Christ Healing the Blind Man, by Eustache Le Sueur

Em Meu Nome

Três vezes, no Evangelho de João, Jesus diz às pessoas para pedirem algo "em Meu nome". Parece que ele está pensando em intercessão, ou seja, que Jesus e "o Pai" são pessoas separadas. Mas nós sabemos que não são - são uma só pessoa. Ainda assim, esses ditados são fáceis de entender mal, e têm causado alguma confusão na igreja cristã desde muito cedo. Vamos olhar atentamente para o texto bíblico, para ver se podemos chegar à verdade, e entender por que houve o mal-entendido.

Na Palavra, o nome de alguém significa a sua verdadeira qualidade, ou natureza. Tenha isso em mente ao ler este artigo; isso vai ajudar!

Primeiro, aqui estão as três passagens de John:

"Não acredita que eu estou no Pai, e o Pai em mim? As palavras que eu vos digo, não falo de mim mesmo; mas o Pai que vive em mim faz as suas obras. Crede-me que eu estou no Pai, e o Pai em mim; ou então crede-me por causa das próprias obras". Certamente eu vos digo, aquele que crê em mim, as obras que eu faço, ele fará também; e ele fará obras maiores do que estas, porque eu vou para o meu Pai. O que pedirdes em meu nome, isso farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei. (João 14:10-14)

Tu não me escolheste, mas eu te escolhi, e te nomeei, para que vás e dês fruto, e que o teu fruto permaneça; para que tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo dê. (João 15:16)

"Agora, pois, tendes tristeza, mas eu vos verei de novo, e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos tirará a vossa alegria. Naquele dia não me farás perguntas. Certamente eu vos digo, tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo dará. Até agora, não pedistes nada em meu nome. Pede, e receberás, para que a tua alegria seja plena. Eu vos falei estas coisas em figuras de linguagem. Mas está chegando o momento em que não falarei mais a vós em figuras de linguagem, mas vos falarei claramente sobre o Pai. Naquele dia pedireis em meu nome; e eu não vos digo, que rezarei ao Pai por vós, porque o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes, e crestes que eu vim de Deus. Eu saí do Pai, e vim ao mundo. Novamente, deixo o mundo, e vou para o Pai". (João 16:22-28)

Estas passagens são em grande parte paralelas, mas há algumas nuances interessantes. Em João 14, Jesus diz "que isso vai I fazer". Não o pai, ali, nesse caso. Em João 15, Jesus diz que o Pai satisfará os pedidos feitos "em Meu nome", e ali, Jesus e o Pai soam um pouco separados. Então, em João 16, novamente é o Pai a conceder pedidos, mas desta vez Jesus deixa claro que logo não haverá aparência de separatividade ou intercessão; ao contrário, há uma implicação de que a separatividade atualmente aparente vai acabar, e que a unicidade é a realidade real.

Levando estes três trechos juntos, é fácil ver porque as pessoas poderiam ficar confusas, e porque "em nome de Jesus oramos" poderia ter se tornado uma fórmula cristã padrão. Mas, na leitura cuidadosa, é evidente que "em Meu Nome" não implica necessariamente duas pessoas, como diz João 14, e que a aparente separatividade é temporária.

Para obter um contexto mais amplo, aqui estão alguns outros lugares no Novo Testamento onde ocorre a frase "em Meu nome". Mateus, Marcos e Lucas relatam a história do ditado do Senhor que diz que devemos receber criancinhas "em Meu nome". Em duas dessas passagens, há indícios tanto de separatividade quanto de unidade.

"Quem receber uma criança tão pequena em meu nome me recebe, mas quem fizer tropeçar um desses pequenos que acreditam em mim, será melhor para ele que uma enorme pedra de moinho lhe seja pendurada ao pescoço, e que seja afundado nas profundezas do mar." (Mateus 18:5-6)

"Quem recebe uma criança tão pequena em meu nome, me recebe, e quem me recebe, não me recebe, mas aquele que me enviou." (Marcos 9:37)

Jesus, percebendo o raciocínio dos seus corações, tomou uma criancinha, colocou-a ao seu lado e disse-lhes: "Quem receber esta criancinha em meu nome, a mim me recebe". Quem me recebe, recebe aquele que me enviou". Pois quem for o menor entre todos vós, este será grande". (Lucas 9:47-48)

Nesta história, há claramente uma protecção de inocência ordenada a nós. Mas ainda há uma alusão à separação... "Aquele que me enviou". Aqui está como podemos ver isto: Podemos receber "criancinhas" em nome do Senhor. Se cultivarmos a inocência, a vontade de sermos guiados pelo Senhor, podemos receber a Verdade Divina e, com idéias verdadeiras em nossa mente, podemos receber o Amor Divino.

Em duas outras passagens do Novo Testamento, fazer algo em nome do Senhor transmite poder, e aqui não há menção de separatividade:

João disse-lhe: "Mestre, vimos alguém que não nos segue expulsar demónios em teu nome; e proibimo-lo, porque ele não nos segue". Mas Jesus disse: "Não o proibas, porque ninguém há que faça uma obra poderosa em meu nome, e que possa falar mal de mim rapidamente". Pois quem não está contra nós está do nosso lado. Pois quem vos der um copo de água para beber em meu nome, porque sois de Cristo, certamente eu vos digo que não perderá de modo algum a sua recompensa". (Marcos 9:38-41)

"Estes sinais acompanharão aqueles que acreditam: em meu nome expulsarão demônios; falarão com novas línguas; pegarão serpentes; e se beberem alguma coisa mortal, não lhes fará mal algum; porão as mãos sobre os doentes, e se recuperarão". (Marcos 16:17-18)

Finalmente, há mais uma passagem aplicável do Novo Testamento. Mais uma vez, aqui não há nenhuma pista de separatividade:

"Pois onde dois ou três estão reunidos em meu nome, lá estou eu no meio deles." (Mateus 18:20)

Em Arcanos Celestes 2921Há uma discussão interessante sobre os nomes do Senhor. Os diferentes nomes usados na Palavra têm significados simbólicos diferentes. Em um lugar deste texto, diz: "Depois da ressurreição, os discípulos sempre o chamaram de Senhor". Você pode ver isso em João 20:2, 13, 15, 18, 20, 25; 21:7, 12, 15-17, 20; Marcos 16:19-20. E em João 20:28Thomas diz: "Meu Senhor e meu Deus."

Trabalhando de volta ao Antigo Testamento, encontramos a frase "em Meu nome" ocorrendo lá também, mas não com tanta freqüência.

Em Deuteronômio, Jeová diz isso:

"Acontecerá que, quem não ouvir as minhas palavras, que ele falará em meu nome, eu as exigirei dele." (Deuteronômio 18:19-20)

Em Salmos, encontramos este exemplo:

Mas a minha fidelidade e a minha bondade amorosa estarão com ele. Em meu nome, a sua buzina será exaltada. (Salmos 89:24)

No entanto, se você procurar a frase "o nome de Jeová" na Palavra, você obtém 86 resultados da Versão Padrão Americana, tudo no Antigo Testamento. Os usos comuns incluem "invocar o nome de Jeová", ou "ministrar em nome de Jeová". Novamente, na Palavra, o nome de alguém significa a sua verdadeira qualidade espiritual, ou natureza. O nome de Deus é muito claramente importante: "Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão". A blasfêmia é muito ruim. A falsa profecia em nome de Jeová é muito ruim.

Voltemos à pergunta inicial: o que significa Jesus quando nos diz para perguntarmos "em Seu nome"?

Não significa que estejamos a pedir a uma pessoa que interceda por nós com outra, que pode ser um pouco mais dura. Não implica duas pessoas de todo. Significa realmente que estamos pedindo ajuda ao Senhor de um estado em que estamos reconhecendo a Sua verdadeira qualidade espiritual. Jesus é "a Palavra". Ele é a Verdade Divina, movido pelo amor. Pedir algo em Seu nome é aproximar-se do Senhor a partir de uma perspectiva que busca a verdade, e isso é ao mesmo tempo sábio e amoroso.