Liberdade de expressão. Livre pensamento. Religião livre.

        | By New Christian Bible Study Staff (machine translated into Português)

Sunrise over a field of grain.

Liberdade de expressão. Liberdade de pensamento. Liberdade de religião. Eles são importantes. Eles estão nas notícias. Como é que eles se relacionam com o Cristianismo? Vamos começar a pensar nisso.

O que a Bíblia tem a dizer sobre eles?

Tomemos João Baptista como exemplo. Ele foi o orador livre essencial, a "voz de um, chorando no deserto", preparando o caminho para Deus. Ele falava livremente, declarando uma religião nova e viva. Mas então Herodes interveio, capturou-o, aprisionou-o e matou-o. João (tenho algo de que devo falar livremente) é o bom da fita; Herodes (não gosto do seu discurso) é o mau da fita.

Em Daniel 6:7-23há a famosa história do Daniel e do Covil dos Leões. Daniel foi lançado aos leões porque estava falando livremente - orando a Jeová, não ao rei Dario - contra um édito do governo. Daniel é o bom da fita. Dario, até arrepender-se, é o mau da fita.

Talvez o exemplo mais poderoso seja encontrado em todo o ministério de Jesus, que exigia liberdade de expressão -- a liberdade de formar, ensinar, criar uma nova religião. Sua liberdade de expressão revolucionou os pensamentos de seus ouvintes. E, o que fizeram os poderosos líderes religiosos da época? Eles o acusaram de blasfemar. Tentaram prendê-lo. Para o fazer arrepender-se. Para ficar quieto. Ele sabia que não podia fazer isso; a sua missão era trazer novas verdades a um mundo sedento.

Há uma grande cena de "liberdade de expressão" durante a entrada de Jesus em Jerusalém, no Domingo de Ramos, em Lucas 19:37-40



"E quando Ele já estava perto da descida do Monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos começou a louvar a Deus com grande voz por todas as obras de poder que tinham visto, dizendo: 'Bendito seja o Rei que vem em nome do Senhor! Paz no céu, e glória nas alturas"! E alguns dos fariseus da multidão disseram-lhe: 'Mestre, repreende os teus discípulos'. E Ele, respondendo, disse-lhes: "Eu vos digo: Se estes se calarem, as pedras clamarão.

Estes são exemplos bastante claros. A Bíblia valoriza a liberdade de expressão.

A liberdade de expressão e o pensamento livre estão intimamente relacionados. A comunicação profunda é uma grande parte do que nos torna humanos. Os humanos desenvolveram a capacidade de ter cooperação em larga escala através de histórias compartilhadas. Se não podemos falar livremente, perdemos a capacidade de comunicar pensamentos reais, e perdemos a capacidade de partilhar novas ideias, e o nosso potencial cai por terra.

Aqui estão três excertos dos trabalhos da Swedenborg que se relacionam com isto:

"...quando a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa são reduzidas, a liberdade de pensamento, ou seja, de examinar as questões de uma forma completa e completa, também sofre.... O nosso entendimento superior, então, adapta-se à quantidade de liberdade que há para dizer e fazer o que estamos a considerar". (Verdadeira Religião Cristã 814).

"Ninguém é reformado num estado de cegueira intelectual, também. Estes indivíduos também não estão conscientes das verdades e não conhecem a vida, porque é o nosso discernimento que nos deve instruir sobre estes assuntos e a nossa vontade que deve agir. Quando nossa vontade está fazendo o que nosso discernimento lhe diz, então nós temos uma vida de acordo com as verdades; mas quando nosso discernimento é cego, nossa vontade também é bloqueada". (Divina Providência 144)

"Ninguém é reformado em estados onde a liberdade e a racionalidade estão ausentes." (Divina Providência 38)

Eu estava falando sobre isso com um amigo, e ele me lembrou que existem áreas cinzentas, onde existe alguma liberdade e discernimento, mas elas são limitadas. Acho que ele tem razão; vivemos sobretudo nestas zonas cinzentas. Há provavelmente casos raros em que a liberdade e a racionalidade estão em zero - talvez alguém esteja em coma. E eu duvido que alguém tenha 100% de liberdade ou discernimento. De certa forma, isso torna a liberdade de expressão e o pensamento livre ainda mais importante. A vida não é cristalina, ou livre, e as coisas que podem nos ajudar enquanto buscamos compreensão e liberdade são realmente preciosas.

O exemplo de Helen Keller é um exemplo disso. Ela chamou ao dia em que Anne Sullivan chegou à sua casa "o aniversário da minha alma". Em sua autobiografia, The Story of My Life (1903), Keller descreveu o momento em que ela percebeu que o movimento dos dedos de Anne, soletrando w-a-t-e-r em sua mão simbolizava a água que ela estava derramando sobre sua mão:

"Eu fiquei parado, toda a minha atenção fixa nos movimentos dos dedos dela. De repente senti uma consciência nebulosa como de algo esquecido - uma emoção de voltar a pensar; e de alguma forma o mistério da linguagem foi-me revelado.... A palavra viva despertou a minha alma, deu-lhe luz, esperança, libertou-a".

Helen Keller também disse: "Nunca se pode consentir em rastejar quando se sente um impulso para voar."

A liberdade de expressão e o pensamento livre precisam um do outro. E... e quanto à religião?

A religião é um conjunto central de pensamentos. Se você não é livre para falar, seu pensamento é pisoteado. Se você não é livre para pensar, como você pode esperar chegar às idéias centrais sobre por que existimos, e o que vamos fazer -- como vamos viver? A religião é o cerne da questão. Mesmo que você rejeite a religião por completo, você ainda está vivendo por algum tipo de sistema de crenças, mesmo que seja materialista ou niilista.

Se lhe disserem o que tem de acreditar, normalmente não funciona muito bem. Há uma tendência natural para a rebelião. Precisamos dessa liberdade para resolver as coisas por nós mesmos.

Albert Einstein disse algo que fala sobre isto:

"Na verdade, é um milagre que os métodos modernos de instrução ainda não tenham estrangulado completamente a santa curiosidade da investigação; pois esta pequena e delicada planta, além do estímulo, está principalmente necessitada de liberdade. Sem isso, ela vai à ruína e à ruína sem falha".

Paul Schilpp, "Albert Einstein: Filósofo Cientista (1949) 'Notas Autobiográficas'"

E... aqui está outro excerto do trabalho da Swedenborg, Heaven and Hell:

Numa palavra, tudo o que não nos entra em liberdade não fica connosco, porque não pertence ao nosso amor ou às nossas intenções; e tudo o que não pertence ao nosso amor ou às nossas intenções não pertence ao nosso espírito. A realidade real do nosso espírito é amor ou volição - usando a frase "amor ou volição", porque o que quer que amemos, nós pretendemos. É por isso que não podemos ser reformados, a não ser em estado de liberdade. (O Céu e o Inferno 598)

M. Scott Peck reforça esta ideia:

Não existe uma boa religião de mão-beijada. Para ser vital, para ser o melhor de que somos capazes, nossa religião deve ser uma religião totalmente pessoal, forjada inteiramente através do fogo do nosso questionamento e da dúvida no cadinho da nossa própria experiência da realidade.
M. Scott Peck - Road Less Travelled

Finalmente, vamos voltar para ver o que a Bíblia diz sobre isso, nestas duas passagens:

Saulo de Tarso perseguia os cristãos - tentando destruir a sua liberdade de religião. Ele teve uma experiência de conversão milagrosa que o levou a ser renomeado como Paulo, o grande mestre e evangelista cristão. (Atos 9)

Shadrach, Meshach e Abednego foram perseguidos - lançados numa fornalha ardente - por adorarem à sua própria maneira, negando os éditos de Nabucodonosor. Eles foram salvos por um anjo, que os impediu de serem queimados. (Daniel 3)

A embrulhá-lo...

É bastante claro que a liberdade de expressão, o pensamento livre e a religião livre fazem parte do mesmo tecido. Fazem muito parte do ser humano. Eles são bem apoiados na Bíblia. Foram tecidas nos melhores governos do nosso tempo.

Precisamos de cuidar bem deles. Eles são necessários para que possamos aprender a verdade e rejeitar a falsidade - e para "Cessar de fazer o mal, aprender a fazer o bem". (Isaías 1:16)