A Bíblia

 

Luke 19:29-44 : A Entrada Triunfal de Jesus em Jerusalém (Evangelho de Lucas)

Estudar o significado interno

        

29 And it came to pass, when he was come nigh to Bethphage and Bethany, at the mount called the mount of Olives, he sent two of his disciples,

30 Saying, Go ye into the village over against you; in the which at your entering ye shall find a colt tied, whereon yet never man sat: loose him, and bring him hither.

31 And if any man ask you, Why do ye loose him? thus shall ye say unto him, Because the Lord hath need of him.

32 And they that were sent went their way, and found even as he had said unto them.

33 And as they were loosing the colt, the owners thereof said unto them, Why loose ye the colt?

34 And they said, The Lord hath need of him.

35 And they brought him to Jesus: and they cast their garments upon the colt, and they set Jesus thereon.

36 And as he went, they spread their clothes in the way.

37 And when he was come nigh, even now at the descent of the mount of Olives, the whole multitude of the disciples began to rejoice and praise God with a loud voice for all the mighty works that they had seen;

38 Saying, Blessed be the King that cometh in the name of the Lord: peace in heaven, and glory in the highest.

39 And some of the Pharisees from among the multitude said unto him, Master, rebuke thy disciples.

40 And he answered and said unto them, I tell you that, if these should hold their peace, the stones would immediately cry out.

41 And when he was come near, he beheld the city, and wept over it,

42 Saying, If thou hadst known, even thou, at least in this thy day, the things which belong unto thy peace! but now they are hid from thine eyes.

43 For the days shall come upon thee, that thine enemies shall cast a trench about thee, and compass thee round, and keep thee in on every side,

44 And shall lay thee even with the ground, and thy children within thee; and they shall not leave in thee one stone upon another; because thou knewest not the time of thy visitation.

   Estudar o significado interno

Explanation of Luke 19      

By Rev. John Clowes M.A.

Verses 1-10. That the Gentiles, who are out of the Church, are accepted of the Lord, and have conjunction with Him in charity and the good of life.

Verses 3-4. Because, notwithstanding their deficiency in the knowledges of truth from the Word, they are desirous to know the truth, and by that desire are elevated into the truths and goods of the external Church.

Verses 5-6. And are thus acknowledged by the Lord, and declared to be the members of His Church and kingdom, which declaration they receive with joy.

Verse 7. Still it appears contrary to order, that the Divine Truth should be imparted to those who are in disorder of life.

Verses 8-9. Until it is seen, that the Gentiles, who are out of the Church, are principled in charity, and that by charity they are capable of being saved, and thus of being received within the Church.

Verse 10. Since the Lord operates charity, faith, freewill, repentance and regeneration with every one, inasmuch as He wills the salvation of all.

Verses 11-13. For the Lord is willing to communicate to all the knowledges of truth and good from the Word, with the faculty of perceiving them.

Verse 14. And this, notwithstanding the force of hereditary and actual evil on the part of man, which is opposed to the Divine Love and Wisdom.

Verse 15. Every one therefore, sooner or later, must give an account of his application of those knowledges.

Verses 16-21. On which occasion it becomes manifest, that some procure, to themselves much intelligence and wisdom, and others procure some, and others none.

Verses 20-27. And that they who procure none are deprived of the truths which they possessed in the memory only, and not in the life.

Verse 21. Since they think harshly of the Divine mercy, and accuse it of expecting more from man than he has the ability to perform.

Verses 22-23. Whereas this their idea of the Divine mercy ought to have led them to exert themselves the more in procuring charity and the good of life.

Verses 24-26. And inasmuch as they have not made the use of the knowledges which they possessed, therefore those knowledges are taken away from them, since it is an eternal law, that they who are in the good of charity shall sooner or later be enriched with truths, whereas they who are in falsities derived from evil in the other life are deprived of all truths.

Verse 27. At the same time they are deprived of all spiritual life.

Verses 28-30. That the Lord from His Divine love, and by His Divine truth, explores the principles of the natural man as to truth, requiring them to be separated from all that is evil and false, and to receive influx of life from Himself.

Verse 31. And if the persuasions of the natural man oppose, they are to be overcome by teaching the necessity of such an influx to restore order.

Verses 32-34. Which necessity is accordingly taught, and is acknowledged by the natural man.

Verses 35-36. So that truths in every complex are submitted to the Lord.

Verses 37-38. And all, who are principled in what is good and true, exalt the Divine Human principle of the Lord, and His Divine operation, as the source of every blessing.

Verses 39-40. Which doctrine is taught, not only in the spiritual and internal sense of the Word, but also in its natural and literal sense.

Verses 41-42. The rejection therefore of this doctrine by the Jewish nation excites the tenderness of the Lord's love, that, if possible, they might receive it, but reception is now become impossible.

Verses 43-44. Inasmuch as through rejection of the Lord at his advent, they were immersed in evils and falsities of every kind, so that the representatives of a Church no longer existed amongst them.

Verses 45-46. For they made gain of holy things, and thus defiled all worship by perversion of what is holy.

Verses 47-48. And when the Lord would have instructed them in the things concerning himself and his kingdom, they opposed all his love and wisdom, yet not without caution, since there were still some remains of the affection of truth in the lower principles.

Das Obras de Swedenborg

Explicação ou referência proveniente da obra de Swedenborg:

Arcana Coelestia 2242, 2701, 2781, 5291, 5323, 5480, 6588, ...

Apocalypse Revealed 81, 166, 336, 493, 618, 809, 839, ...

A Brief Exposition of New Church Doctrine 100

Doctrine of the Lord 64

True Christian Religion 782


Referências das obras de Swedenborg não publicadas:

Apocalypse Explained 31, 102, 195, 340, 365, 405, 638, ...

Scriptural Confirmations 2, 13

Outro comentário

  Histórias:



Ir para Versículos Bíblicos Semelhantes

Deuteronomy 28:52, 32:29

2 Samuel 15:30

2 Kings 8:11, 9:13

Psalms 148:1

Isaiah 6:9, 11, 29:3, 59:8, 65:12

Jeremiah 6:6, 13:17, 14:17

Lamentations 3:48, 49

Ezekiel 4:2

Daniel 9:26

Micah 3:12

Habakkuk 2:11

Zechariah 9:9

Significados de Palavras Bíblicas

came to pass
The phrase “it came to pass,” often also translated as “it happened,” generally indicates the end of one spiritual state and the beginning of a...

bethany
Bethany was a village on the Mount of Olives about two miles from Jerusalem, near its sister village Bethphage. It plays a small but significant...

olives
'Olives' signify good.

disciples
When we read the Gospels and see Jesus addressing the disciples, we assume His words are meant for us as well. And indeed they are!...

go
In the physical world, the places we inhabit and the distances between them are physical realities, and we have to get our physical bodies through...

over
'Upon' or 'over' signifies being within.

sat
If you think about sitting, it seems fair to say that where you're sitting is more important than that you're sitting. Sitting in a movie...

say
As with many common verbs, the meaning of “to say” in the Bible is highly dependent on context. Who is speaking? Who is hearing? What...

way
These days we tend to think of "roads" as smooth swaths of pavement, and judge them by how fast we can drive cars on them....

said
As with many common verbs, the meaning of “to say” in the Bible is highly dependent on context. Who is speaking? Who is hearing? What...

garments
Soft raiment,' as in Matthew 11:9, represents the internal sense of the Word.

upon
'Over' or 'upon' in the Word, signifies being within, because the highest part in successive order becomes inmost in simultaneous order. This is why the...

rejoice
Feelings of joy and rejoicing flow from our affections, not from our thoughts. Some people might argue that that's not true, that you can rejoice...

Loud
In Revelation 5:2, 'a loud' or 'great voice' signifies divine truth from the Lord, in its power or virtue.

mighty
'Might' denotes the forces or power of truth.

seen
The symbolic meaning of "seeing" is "understanding," which is obvious enough that it has become part of common language (think about it; you might see...

peace
In ordinary life, we tend to think of "peace" as essentially "a lack of conflict." As a nation, if we're not at war, it's a...

heaven
"Air" in the Bible represents thought, but in a very general way – more like our capacity to perceive ideas and the way we tend...

glory
Blessing, and glory, and wisdom, and thanksgiving (Rev. 7.) signify divine spiritual things of the Lord.

highest
'Highest' denotes the 'inmost,' because interior things, with person who is in space, appear as higher things, and exterior things as lower. But when the...

pharisees
The Pharisees were a sect of the Jewish church at the time of the New Testament. The name comes from a root that means "separate",...

multitude
A company, congregation, and a multitude, in the Word, are predicated of truths.

answered
To "answer" generally indicates a state of spiritual receptivity. Ultimately this means being receptive to the Lord, who is constantly trying to pour true ideas...

tell
'To tell' signifies perceiving, because in the spiritual world, or in heaven, they do not need to tell what they think because they communicate every...

city
Cities of the mountain and cities of the plain (Jeremiah 33:13) signify doctrines of charity and faith.

side
'Side' signifies good or spiritual love.

visitation
The end time of the church and each individual, is called 'the visitation,' and precedes judgment. 'Visitation' is nothing but an exploration of the quality...

Recursos para pais e professores

Os itens aqui listados são providos como cortesia de nossos amigos da General Church of the New Jerusalem. Você pode pesquisar todo o conteúdo da biblioteca no seguinte link this link.


 Christ the King
As you celebrate Easter this year, you can remember the Lord’s suffering, but more importantly, we can rejoice in the success of the Lord’s mission while He lived on earth. He brought the heavens into order and conquered the hells. He provided for people’s freedom to choose a life of heaven, and He showed how He is indeed our Heavenly King. Sample from the Jacob’s Ladder Program, Level 5, for ages 10-11.
Religion Lesson | Ages 10 - 11

 Compare Joshua with Jesus
Complete a chart comparing Joshua and Jesus. Who were theys fighting? Where did they go? How did they show courage?
Activity | Ages 9 - 13

 Even the Stones Testify
Worship Talk | Ages 7 - 14

 Lord As King
Sunday School Lesson | Ages 9 - 12

 Palm Sunday
Coloring Page | Ages 7 - 14

 Palm Sunday
Worship Talk | Ages 7 - 14

 Palm Sunday: Luke
A New Church Bible story explanation for teaching Sunday school. Includes lesson materials for Primary (3-8 years), Junior (9-11 years), Intermediate (12-14 years), Senior (15-17 years) and Adults.
Teaching Support | Ages over 3

 Peace and Glory
Worship Talk | Ages 7 - 14

 Quotes: King of Kings
Teaching Support | Ages over 15

 The Lord Does Not Remember
Worship Talk | Ages 7 - 14

 The Lord Wept
Worship Talk | Ages 7 - 14

 The Responsibility of the Lord's Servants
Worship Talk | Ages over 18

 Triumphal Entry into Jerusalem
A lesson for younger children with discussion ideas and a project.
Sunday School Lesson | Ages 4 - 6

 Welcoming the King
An illustrated story of Palm Sunday.
Story | Ages 3 - 7

 Welcoming the Lord as King
Jesus rode into Jerusalem on the colt of a donkey because kings rode on donkeys. People knew that this meant He was coming as a king. People gathered in the streets and welcomed Him with joyous shouts. Sample from the Jacob’s Ladder Program, Level 2, for ages 7-8.
Religion Lesson | Ages 7 - 8

Comentário

 

Chorando na Páscoa

     

By Rev. Peter M. Buss Sr. (machine translated into Português)

Before entering Jerusalem for the last time, Jesus wept over its future. This painting by Enrique Simonet, is called "Flevit super Illam", the Latin for "He Wept Over It". It is in the Museum of Malaga.

"E, aproximando-se eles, viu a cidade e chorou sobre ela, dizendo: 'Se tivesses conhecido, até mesmo tu, especialmente neste teu tempo, as coisas que pertencem à tua paz! Mas agora elas estão escondidas dos teus olhos"." (Lucas 19:41,42 ).

"'Filhas de Jerusalém, não choreis por Mim, mas chorai por vós mesmas e por vossos filhos... Pois se fizerem estas coisas na lenha verde, o que será feito na seca?" ( Lucas 23:28,31).

Jesus chorou sobre Jerusalém. As mulheres choraram por Ele, e Ele disse-lhes para chorarem por si mesmas e por seus filhos. Dor num momento de triunfo, dor num momento de desolação.

Há ironia na história do Domingo de Ramos, pois sobre sua alegria paira a sombra da traição, do julgamento e da crucificação. Será que a multidão irada que chamou por Sua crucificação foi a mesma multidão que O saudou como Rei cinco dias antes? Por que o Senhor cavalgou em triunfo, sabendo as coisas que certamente aconteceriam? Ele o fez para anunciar que Ele, a verdade divina do bem divino, governaria todas as coisas; para nos dar uma imagem que permanecerá para todo o sempre de Sua Majestade. E então os acontecimentos do Getsêmani e do Calvário nos fizeram conhecer a natureza dessa majestade - que de fato o Seu reino não é deste mundo.

Podemos imaginar a cena no Domingo de Ramos? As multidões estavam a regozijar-se e a gritar, e depois viram o seu Rei a chorar. Este não foi um momento breve, mas um choro contínuo, que fez com que o escritor do evangelho ouvisse falar dele. Será que os gritos deles morreram enquanto assistiam ao Seu pesar, será que eles se perguntaram quando Ele pronunciou a condenação da cidade em que viviam? "Os teus inimigos construirão um dique ao teu redor, rodear-te-ão e fechar-te-ão em todos os lados, e te nivelarão, a ti e aos teus filhos contigo, ao chão; e não deixarão em ti uma pedra sobre outra porque não sabias a hora da tua visita". Então, talvez, enquanto Ele cavalgava, os aplausos foram retomados, e as estranhas palavras foram esquecidas.

Há ainda outra ironia, pois o povo gritou que a paz tinha chegado. "Bendito seja o Rei que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas!" Mas quando Jesus chorou, disse à cidade: "Se tivesses conhecido, até mesmo tu, especialmente neste teu tempo, as coisas que fazem a tua paz! Mas agora elas estão escondidas dos teus olhos."

Este grande panorama fala do mundo dentro de cada ser humano. É em nossa mente, no sentido espiritual da Palavra, que Jesus cavalga em triunfo. Quando vemos a maravilha da Sua verdade, sentimos o seu poder sobre todas as coisas, nós O coroamos. Todos os eventos do Domingo de Ramos falam daqueles momentos em que reconhecemos que o Senhor, o Deus visível, governa nossa mente através da Palavra que está dentro de nós. É um tempo de grande regozijo. Como as multidões do Domingo de Ramos, sentimos que esta visão varrerá tudo o que é mau, e o Senhor reinará facilmente dentro de nós como nosso Rei e nosso Deus.

Tais tempos felizes chegam até nós, e podemos regozijar-nos neles, e saudar o nosso Senhor e Rei com júbilo. "Paz no céu, e glória nas alturas!" A paz vem em conjunção com o Senhor que nós vimos (Apocalipse Explicado 369:9, 11). No entanto, o próprio Senhor sabe que há batalhas a vir daqueles que não conhecem a paz. Isto também Ele nos adverte em Sua Palavra. Na Jerusalém natural dos dias do Senhor, os governantes usaram de falsidade para destruir a verdade, e eles trouxeram muita tristeza sobre os cristãos. Na Jerusalém espiritual em nossas mentes há falsos valores que destruiriam a paz. Antes de chegarmos ao céu, haverá uma batalha entre nossa visão do Senhor e nosso amor próprio, que abusará da verdade para fazer isso acontecer.

Então o Senhor chorou, lá fora no monte das Oliveiras, enquanto olhava para a cidade. Seu pranto foi um sinal de misericórdia, pois Ele chora pelos estados em nós que nos ferem e que se opõem à nossa paz. (Arcanos Celestes 5480; Apocalypse Explained 365 [9]cf. 365:11, 340). No entanto, a Sua dor é uma força ativa, é misericórdia, trabalhando para eliminar esses estados. Jesus prometeu que Jerusalém seria totalmente destruída - não restaria uma única pedra de pé. É verdade que a Jerusalém natural foi arrasada, mas não foi isso que Ele quis dizer. Ele nos promete - assim como nos adverte das batalhas que virão - que triunfará, e que nossa Jerusalém - nossas desculpas para fazer o mal - não vai resistir. Eles serão dizimados pela Sua Palavra. (Cf. Arcana Coelestia 6588 [5]; Apocalypse Explained 365 [9]).

Ele chorou de misericórdia, e prometeu o fim do choro, pois "Suas ternas misericórdias estão sobre todas as Suas obras".

Na Sexta-Feira Santa havia certamente motivos para chorar. Imagina esta cena: As mulheres estavam a seguir a cruz, a lamentar. Jesus devia estar sangrando do chicote, e marcado pela coroa de espinhos. Ele estava rodeado de pessoas que gostavam de ver alguém morrer. Aqueles que O chamavam de seu inimigo estavam satisfeitos por terem vencido.

Os seus seguidores estavam desolados. Nunca tinham imaginado que o sonho que Ele tinha fomentado acabaria desta forma, ou que o Líder que eles amavam seria tratado tão terrivelmente. Eles sentiam por Ele no que estavam certos de que era o Seu sofrimento. Eles choraram por Ele.

Então talvez a multidão que O insultou tenha sido silenciada enquanto Ele se voltava para as carpideiras. Do Seu infinito amor Ele falou. "Filhas de Jerusalém, chorai não por Mim, mas chorai por vós mesmas e por vossos filhos". Ele não pensou na Sua agonia próxima, Ele chorou por aqueles que Ele amava. Ele triunfaria. Era sobre eles que viria o sofrimento. Que imagem mais clara podemos ter do objetivo que trouxe o nosso Deus à Terra do que essa sentença? Ele veio porque pessoas más e sentimentos malignos trazem miséria aos Seus filhos. Ele veio para lhes dar alegria depois do choro, para lhes dar consolo e esperança e, finalmente, para lhes dar a certeza de que não deveria haver mais morte, nem tristeza nem choro.

As mulheres daquela época enfrentaram, de facto, a tristeza física. É desolador saber das perseguições dos cristãos, pensar nas pessoas mortas porque adoram o seu Deus; nas crianças que lhes são tiradas, nas boas pessoas sujeitas à misericórdia daqueles que não conhecem misericórdia. De fato, deve ter parecido que o Senhor estava certo ao dizer que teria sido melhor se eles nunca tivessem dado à luz filhos que sofressem assim pela sua fé. "Porque, na verdade, estão chegando os dias em que dirão: 'Bem-aventurados os estéreis, os ventres que nunca suportaram e os seios que nunca amamentaram'".

Mas a verdadeira razão pela qual o Senhor desceu à Terra foi que dentro da crueldade física há uma dor muito maior. Há muitas pessoas andando nesta terra que não pensariam em matar outra pessoa, mas que regularmente gostam de tirar algo muito mais precioso - sua habilidade de seguir seu Senhor.

Foi por isso que o Senhor disse aquelas palavras: "Não choreis por Mim, mas chorai por vós mesmos e por vossos filhos". As filhas de Jerusalém representam o amor suave da verdade com pessoas sinceras em todo o mundo. Os seus filhos são a caridade e a fé que vem do amor à verdade. Estas são as vítimas do mal, especialmente quando infesta uma igreja. Estas são as coisas que causam o pranto interno, uma tristeza do espírito que é tanto mais devastadora quanto mais silenciosa.

"Filhas de Jerusalém", foi o que ele lhes chamou. O nosso amor inocente pela verdade cresce junto com a nossa justificação para sermos egoístas. Na verdade, ele é governado pela auto justificativa, como as filhas de Jerusalém foram governadas por uma igreja corrupta. Quando aquelas mulheres tentaram fugir da Igreja Judaica, foram perseguidas. Quando o nosso amor inocente pela verdade procura levar-nos a seguir o Senhor, sofremos tentações em nossos espíritos. Os infernos se levantam e nos tentam com todas as delícias egoístas e malignas que já tivemos, e nós de fato choramos por nós mesmas.

Sabe, não é a verdade em si que sofre! "Não chore por mim", disse Jesus. A verdade é toda poderosa. É o nosso amor por essa verdade que é tentado. É a nossa caridade e a nossa fé - os filhos desse amor - que sofrem.

"Porque, na verdade, estão chegando os dias em que dirão: 'Bem-aventurados os estéreis, os ventres que nunca suportaram e os seios que nunca suportaram'". Não nos parece às vezes que as pessoas que não têm verdades, que não têm ideais, são as que são felizes? Na verdade, esta é uma profecia de que aqueles que estão fora da Igreja e a encontram de novo terão um tempo mais fácil do que aqueles que trazem as falsidades da vida para a batalha.

No Domingo de Ramos, quando Jesus chorou, Ele disse que Jerusalém seria destruída. Como eu disse, Ele estava realmente prometendo a destruição do mal em nós. Na Sexta-feira Santa, Ele deu a mesma garantia: "Então começarão a dizer às montanhas: "Caiam sobre nós!" e às colinas: "Cubram-nos!" Estas palavras aparentemente duras são palavras de conforto, pois prometem que à medida que a verdade do Senhor triunfar em nós, o céu se aproximará mais. Quando isso acontecer, os infernos que nos tentarem serão incapazes de suportar a presença do céu, e se cobrirão e se esconderão.

"Porque se eles fizerem estas coisas na madeira verde, o que será feito na seca?" Os ouvintes sabiam o que isso significava: se, quando Ele estava entre eles, rejeitaram a Sua verdade, o que farão quando a memória da Sua presença e dos Seus milagres secarem? No sentido interno, a madeira verde é a verdade que ainda está viva de um amor por ela. Mesmo quando vemos os ideais da Palavra, vamos lutar contra a tentação. Mas quando essa madeira seca, quando não podemos sentir a vida e o poder da verdade, a batalha se torna muito mais difícil.

Em ambas estas imagens - o Seu choro no Domingo de Ramos, o Seu triste aviso às mulheres para chorarem por elas mesmas e pelos seus filhos, o Senhor está nos preparando para lutar por aquilo em que acreditamos. Como é que Ele nos prepara? Assegurando-nos, não apenas das provações que virão, mas da certeza da vitória, agora que Ele revelou o Seu poder. Há tanta maravilha, tanta esperança de felicidade eterna na verdadeira religião cristã. Contudo, nenhum amor que valha a pena será nosso até que ele tenha enfrentado seus desafios. Deve haver um tempo de choro: nosso Senhor misericordioso chorando por nossas lutas e dando-nos força da misericórdia; nossos sonhos e esperanças chorando quando tememos que estejam perdidos. Através da provação expressamos nosso compromisso com nossos sonhos, e Ele nos entrega.

Menos de vinte e quatro horas antes de Sua prisão, o Senhor falou novamente sobre chorar. Na Última Ceia Ele disse: "Em verdade vos digo que chorareis e lamentareis, mas o mundo se regozijará". Mas Ele não parou por aí. "E vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza será transformada em alegria. Uma mulher, quando está em trabalho de parto, tem tristeza porque chegou a sua hora; mas assim que deu à luz a criança, já não se lembra da angústia, pela alegria de um ser humano ter nascido no mundo. Portanto, agora tendes tristeza; mas eu vos verei novamente e vosso coração se alegrará, e vossa alegria ninguém vos tirará".

Quando Ele foi crucificado e ressuscitou, eles devem ter pensado que agora as Suas palavras foram cumpridas. Agora eles tinham encontrado a alegria que ninguém podia tirar deles. Talvez quando sofreram nas mãos de perseguidores e encontraram alegria entre os irmãos cristãos, pensaram o mesmo. E finalmente, quando travaram as suas batalhas privadas, e do Seu poder venceram o inimigo interior, eles sabiam o que Ele realmente queria dizer.

"Jesus chorou sobre a cidade." "Chorai por vós próprios e pelos vossos filhos." O nosso amor pela verdade será ameaçado e com ela a nossa esperança na verdadeira fé e na verdadeira caridade. Foi para esse fim que Ele veio ao mundo e cavalgou em triunfo e bebeu do cálice da rejeição e da morte aparente - para poder transformar a nossa tristeza em alegria. Portanto, Ele poderia também dizer: "No mundo tereis tribulação; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo". Amém.

(Referências: Lucas 19:29-44, 23:24-38)


Traduzir: