A Bíblia

 

John 21:15-25 : Alimentar os meus cordeiros, Alimentar as minhas ovelhas

Study

        

15 So when they had dined, Jesus saith to Simon Peter, Simon, son of Jonas, lovest thou me more than these? He saith unto him, Yea, Lord; thou knowest that I love thee. He saith unto him, Feed my lambs.

16 He saith to him again the second time, Simon, son of Jonas, lovest thou me? He saith unto him, Yea, Lord; thou knowest that I love thee. He saith unto him, Feed my sheep.

17 He saith unto him the third time, Simon, son of Jonas, lovest thou me? Peter was grieved because he said unto him the third time, Lovest thou me? And he said unto him, Lord, thou knowest all things; thou knowest that I love thee. Jesus saith unto him, Feed my sheep.

18 Verily, verily, I say unto thee, When thou wast young, thou girdedst thyself, and walkedst whither thou wouldest: but when thou shalt be old, thou shalt stretch forth thy hands, and another shall gird thee, and carry thee whither thou wouldest not.

19 This spake he, signifying by what death he should glorify God. And when he had spoken this, he saith unto him, Follow me.

20 Then Peter, turning about, seeth the disciple whom Jesus loved following; which also leaned on his breast at supper, and said, Lord, which is he that betrayeth thee?

21 Peter seeing him saith to Jesus, Lord, and what shall this man do?

22 Jesus saith unto him, If I will that he tarry till I come, what is that to thee? follow thou me.

23 Then went this saying abroad among the brethren, that that disciple should not die: yet Jesus said not unto him, He shall not die; but, If I will that he tarry till I come, what is that to thee?

24 This is the disciple which testifieth of these things, and wrote these things: and we know that his testimony is true.

25 And there are also many other things which Jesus did, the which, if they should be written every one, I suppose that even the world itself could not contain the books that should be written. Amen.

    Estudar o significado interno

Comentário

 

Uma conversa após o café da manhã

     

By Joe David (machine translated into Português)

This inscription is on a stone at the church hall in South Ronaldsey, in the Orkneys, northeast of Scotland.

Uma conversa após o café da manhã
(Um comentário sobre João 21:15-25)

Na primeira parte deste capítulo, sete discípulos tinham voltado para casa, para a Galileia. Eles tinham ido pescar, visto Jesus na praia, seguiram suas instruções para pescar no lado direito do barco, arrastaram uma rede carregada com 153 peixes para a praia, e... quando a segunda metade do capítulo começa, eles acabaram de quebrar seu jejum com Ele. Agora eles estão relaxando.

Jesus diz a Pedro: "Tu me amas?" e Pedro, talvez um pouco assustado com a pergunta, pensando que a resposta é óbvia, responde "sim", e Jesus responde: "Alimenta os meus cordeiros". Mais duas vezes esta sequência é repetida, mas com algumas mudanças. Depois desta conversa inusitada, o Senhor conta a todos uma pequena parábola sobre ser jovem e depois ser velho. Então o Senhor diz a Pedro para segui-lo, e Pedro, aparentemente invejoso, pergunta o que João deve fazer. O Senhor repreende suavemente o ciúme de Pedro dizendo: "Se este homem ficar até eu vir, o que é isso para você?", mas então Ele diz a João também para segui-lo.

Finalmente, o evangelho de João, e de fato a coleção de todos os quatro evangelhos, fecha com uma explicação de João de que ele é o autor deste evangelho.

Então agora, vamos olhar mais de perto a conversa, a parábola e o surto de ciúmes.

Apenas dois dos sete discípulos, Pedro e João, são mencionados nesta parte da história. Pedro representa a fé, ou verdade, mas a verdade sobre coisas espirituais que nós realmente cremos são de Deus. João representa o bem, ou amor ao próximo. O primeiro reside na parte da compreensão da mente e o segundo na parte da vontade da mente.

Ao dizer a Pedro para alimentar Suas ovelhas, o Senhor está dizendo que segui-Lo significa pregar as verdades que todos os discípulos agora sabem sobre o Senhor, Sua vinda, e sobre como uma vida deve ser conduzida, a fim de ser um seguidor do Senhor em uma nova igreja. Na conversa, o Senhor é direto e sondante. "Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes?" Eu acho que se pergunta a Pedro se ele ama o Senhor, Jesus, mais do que ama seus amigos galileus, embora seja ambíguo, isso poderia significar "você me ama mais do que esses outros seis"? Quando Pedro responde pela primeira vez, diz: "Senhor, tu sabes que eu te amo."

Com esta primeira das três perguntas de sondagem, o Senhor responde "Apascenta os meus cordeiros", enquanto depois disso a resposta é "Apascenta as minhas ovelhas". Ovelhas e cordeiros representam ambos pessoas que gostam de fazer o bem, mas enquanto ovelhas significam aqueles que gostam de fazer o bem pelo bem do próximo, cordeiros significam aqueles que fazem o bem pelo bem do Senhor. O primeiro é o bem espiritual, e o segundo é mais elevado, e é chamado de bem celestial. Mas as pessoas que desejam fazer o bem a princípio não sabem o que é bom; elas precisam aprender isso da Palavra e ser ensinadas. É por isso que se diz a Pedro para "alimentá-los", o que é dizer que a verdade deve indicar como o bem deve ser feito. Para fazer coisas que são boas, a vontade é querer, e a compreensão é saber como fazer, deve ser conjugada. Para uma vida cristã bem sucedida, ou em maior escala, uma igreja cristã, 'Pedro' e 'João' devem trabalhar em harmonia.

Depois vem a parábola. "Quando eras jovem preparaste-te e fizeste o que querias por ti próprio. Mas quando ficares velho, tens de pedir ajuda e outro te levará para onde não queres ir."

Isto não parece encaixar aqui, mas é claro que encaixa, e de duas maneiras. A primeira maneira é dada no texto bíblico; é sobre a morte do Senhor, que todas as profecias o estavam levando à Sua crucificação, como é mencionado. O segundo caminho é uma lição para todos nós. Quando somos jovens, confiantes e fortes, sentimos que podemos fazer o que queremos e não precisamos de nenhuma ajuda. As tentações de fazer o mal com as quais nós mesmos podemos lidar. Mas quando ficamos mais sábios, percebemos que toda a nossa força vem do Senhor, e se continuarmos a depender apenas de nós mesmos, as tentações dos infernos serão muito fortes e seremos levados a fazer o que os infernos querem para nós, não o que queremos. Devemos aprender no início a seguir o Senhor e depender dEle. Isto ele diz no final da parábola, onde parece não caber até que entendamos a parábola. "E quando Ele disse isto, Ele disse-lhes, sigam-Me." Isso é o que precisamos fazer também.

Pedro está feliz em fazer esta pregação da verdade e talvez sinta que foi escolhido, mas também percebe que João também ama o Senhor e é amado em troca. Então ele pergunta: "E o que este homem deve fazer?". Parece que a harmonia necessária ainda não está presente, e que Pedro tem ciúmes do vínculo, e provavelmente espera ter certeza de que ele é o número um... mas isso não acontece. Dizem simplesmente a Pedro que não importa; ele precisa fazer o trabalho que lhe foi dado.

Lembro-me da história de Jacob e Esaú, em Gênesis 25onde Esaú é o primogênito e herdará o direito de nascimento e a bênção de Isaac, como seu devido. Jacó por artesanato idealizado por sua mãe engana Isaac e rouba o que é de Esaú. Então ele foge para Padan-Aram e fica lá com seu tio e se torna rico. É somente na sua viagem de retorno que ele luta com o anjo e tem seu nome mudado para Israel, que ele reencontra Esaú. A mudança de nome significa que agora que Jacó é rico com a verdade da Palavra, agora com o encontro amigável com Esaú, também rico, que os dois gêmeos podem em parábola, ser fundidos em um só personagem, chamado Israel, significando a união do bem e da verdade na mente.

Esaú significa algo semelhante a João, ambos representam a bondade ou a verdadeira caridade. Jacó significa algo semelhante a Pedro, ambos representam a verdade aprendida com a Palavra. Qualquer aparente inimizade entre eles quanto ao que é mais importante pode torná-los ambos inúteis, e em uma pessoa que está se tornando angelical (como todos deveriam estar visando), não há inimizade. A verdade permite o bem, e o bem inspira a verdade para que se faça algo. Embora possamos pensar e falar deles separadamente, eles estão (perfeitamente no Senhor e menos nos anjos) unidos em uma unidade para serem vistos como casados. O casamento do bem divino do Senhor e da verdade divina é a origem de toda a criação. Sim, de toda a criação.

Este casamento do bem e da verdade, e a necessidade de ambos trabalharem em nossas vidas, em equilíbrio e harmonia, é um conceito central do Novo Cristianismo.

Nos Evangelhos, há apenas mais uma história que se passa depois desta. Nela, o resto dos discípulos se unem aos sete aqui mencionados para ouvir os últimos mandamentos do Senhor.


Traduzir: